Monday, September 18, 2006

O dia em que voltei a ser Brasileiro.

Não, meus amigos, não encontrei uma Skol para tomar aqui nos EUA. Há sim, Brahma, mas nem por muito amor à pátria. Mas não foi isso que garantiu meu direito de me chamar Macunaíma. Se você chutou que adotei o Manoel Carlos como guru sexual, errou. Ainda não é isso. Poderia, talvez, ser o fato de eu entender que política de qualidade no Brasil é feita por um maconheiro. Ou ainda por eu cantar Brasil, um sonho intenso, um raio vívido na primeira parte do hino, e na segunda Brasil, de amor eterno seja símbolo. Pô, fala sério! Nisso, até você caro leitor se embanana.

Mas não foi nada disto, meus caros. Ontem me redimi das minhas estadosunidencices assim: Fiz um furinho numa lata de leite Moça e tomei no bico.

4 comments:

Jacolo said...

É isso, aí companheiro!! Você é o nosso homem infiltrado no sistema! A luta continua!

Daniel Caron said...

tem leite moça aí? pô, faz um briga...

Anonymous said...

Augusto, sabe esses saquinhos plásticos, tipo camisinha, que a gente compra com amendoim caramelado e coco idem aqui no Rio, pois é, quando estive hibernando na gringolândia lá pela década de 70, minha saída pra escapar da mesmice alimentar e me sentir um pouco "em casa" longe de casa, era comprar a peso de "ôro",num mercadinho especial, longe pra caramba, um saquinho desses com feijão preto. Aí sim, após degustar até o último grão, dava umas três batidinhas na barriga e pensava "ainda sou brasileiro".

Abrçs,
zixupim, o iconoclasta do Ingá.

claudia said...

primucho, procura um chinatown, lá tem tudo, ou quase tudo, gioabada, guaraná, até mate leão eu achei em Toronto, deve ter também uns políticos corruptos de plantão....que é pra vc matar a saudade MESMO!!!