Friday, February 16, 2007

Infinito/finito

O casamento com o amor da sua vida vai acabar. Você vai ser mandado embora do emprego perfeito. E o mais importante. Todos que você ama morrerão e você morrerá.

Como seria mais sossegado viver se simplesmente aceitássemos o finito. Entretanto parece que o efeito colateral de sermos seres pensantes é justamente sermos irracionais em nossas expectativas. Esperar pelo amor eterno ou a vida infinita, sei...



.......................................................................................




Tentava achar um caminho para acreditar na vida após a morte pelo científico ou lógico ou racional, sei lá, algo que necessitasse mais da lógica matemática do que da fé.

Uma das teorias para explicar a origem do universo, como bem sabemos, parte do big bang. Depois do big bang o universo começa a se expandir combinando as mais fundamentais formas de matéria e energia dando origem a elétrons, átomos, seres vivos, planetas etc e tal. Este universo vai se expandindo até começar a se contrair. Tudo que existe vai então se aproximando, se fechando, entrando em colapso e volta a ser o ovo da criação composto de matéria e energia fundamentais. Este ovo explode como um novo big bang e o processo se repete infinitamente. Ovo, big bang, expansão, contração, ovo, big bang e assim vai.

Pois bem, matematicamente, numa destas expansões ou contrações, toda a combinação de elementos fundamentais que formou seus pais e você antes acontecerá novamente. É certo, pois em infinitos ciclos o mesmo arranjo de energia e matéria que forma você agora vai se formar de novo em um número infinito de vezes.

Isto é a vida após a morte.

Porém há um algo notável nesta teoria. A consciência se perde. Se não se perdesse, lembraríamos das infinitas vezes que vivemos antes. Voltamos a estaca zero então. Se vivemos antes, se vamos viver de novo depois e se não lembramos de nada, de nada adianta vivermos várias vezes.

2 comments:

Alguém said...

Pensando bem, é isso mesmo. A matéria "vive" eternamente e, se somos matéria...
O inquietante é a consciência, como explicá-la?
A religião vêm em socorro da ciência e define consciência como alma; e alma como atributo divino, e estamos conversados.
Agora nos resta dois caminhos: 1)aceitar a religião, ou; 2)continuar procurando.
Como a vida só tem sentido se estivermos a procura de algo, tudo passa a ter sentido novamente.

Drê said...

Adianta sim Gú.. pois cada "vida" sua tem um objetivo, tem uma missão, um propósito.
Não existem "acasos" e sim merecimentos, não existem coincidências.
As coisas acontecem porque devem acontecer, conhecemos pessoas, as amamos, deixamos de amá-las também... por uma razão que "aqui" obviamente não sabemos o propósito, mas com certeza existe um.
Sempre aprendemos e ensinamos independente da classe social, religião, raça, credo e nacionalidade deste outro indivíduo.
Podemos não lembrar de nossas vidas passadas neste plano espiritual, mas tudo que somos hoje é conseqüências delas... e para mim, particularmente, acho que se tivéssemos esse poder de "saber e lembrar" sentimentos que muitas vezes evitamos, como a raiva, o rancor, a vingança e o ódio estariam muito mais presentes neste planeta que já está poluído deles!!
Bjoca pra vc!!