Sunday, April 27, 2008

Não entendo o patriotismo. Algumas pessoas criticam os imigrantes por eles terem deixado o seu país, terem abandonado a sua nação, como se aqueles fossem traidores, como se aquilo fosse pecado. Pecado me parece uma palavra apropriada para se usar aqui, pois o amor a pátria é similar a fé a uma religião.

Para início é algo que nos é enfiado na cabeça quando somos ainda crianças inocentes descobrindo o mundo. Na minha escola cantava-se o hino nacional toda segunda. Não é isto algo como rezar todo domingo? (Aqui cabe dizer que me parece que quanto mais uma coisa não tem lógica mais precisamos estar o tempo todo repetindo aquilo para nós mesmos para podermos acreditar: ir a missa todo domingo, cantar o hino com frequência. Aprendi que a raiz de nove é três e não tenho necessidade nenhuma de estar repetindo esta conta para não me esquecer que isto é verdade.) Bill Maher foi quem falou que religião é algo que nos enfiam goela abaixo quando somos novos, mas nossa responsabilidade quando adultos é retirar aquilo de lá. O mesmo serve para o patriotismo.

Outra questão mais importante é a própria definição de patriotismo. Devo amar a cultura do país, o povo ou a política? Não posso amar a distância? Temos mesmo que dar nossas vidas por este amor muitas vezes não correspondido? Se eu sou espírita e umbandista, Jesus me salvará?

“Amo a minha pátria, especialmente meu estado, mais especificamente minha cidade. Se alguém sai de Recife e vai morar em Salvador, pronto, acho este sujeito um traidor.” Não posso usar o mesmo raciocínio do patriotismo para justificar um “cidadismo”? Extrapolando posso chegar ao bairrismo,daí ao “só amo minha família”, e finalmente “só amo a mim mesmo.”

Eu pessoalmente acho que se há O2 para respirar, H2O para beber, as temperaturas estão entre cinquenta negativo e cinquenta positivo Celsius, estou num lugar que posso chamar de casa. Aliás, me corrijo, se colonizarem a lua e eu for morar lá nem estes elementos terráqueos comuns são limites para meu “patriotismo” seja lá o que isto queira dizer.

11 comments:

Boca said...

É o sentimento mais normal do mundo, claro, amar os seus em detrimento aos outros. Devemos apenas procurar não ficar cego às qualidades dos outros e aos nossos próprios defeitos.

obs. A palavra "patriotismo" também significa "seios da mulher, quando volumosos". Rá...gostei.

Agnóstico não patriota. said...

Excelente ORNITO, em nome dessa ficção chamada patriotismo é que se cometem as maiores atrocidades do mundo, as GUERRAS, esses mortais eventos onde se assassinam pessoas iguais a nós mesmos, que não conhecemos e não odiamos. O dia que não mais existirem o patriotismo e religiões estaremos no caminho reto que leva a verdadeira fraternidade humana. Os facciosismos inculcados nas crianças através do patriotismo e das religiões é que tornam o homem o animal mais perverso do planeta, indigno de viver entre os outros.

Brandina said...

Muito bom o texto.Vc sempre falou que o mundo é o quintal da sua casa. Continue assim. Parabéns. Beijos com muito amor. Mãe.

Adri said...

E aih mano, minha opiniao sobre o assunto seria o seguinte...

Patriotismo seria a aceitacao de seu passado, seria reconhecer, aceitar e divulgar de sua patria nativa... mesmo que tenha mudado de bairro/cidade/estado/pais, a lembranca do passado comtinua, e divulgar sobre o passado do individuo (sendo o ato orgulhoso ou nao) seria isso o tal patriotismo???

Daniel Caron said...

yoh brô!

Amatuzzi said...

Gostei do texto e concordo com sua idéia. Acho normal as pessoas amarem o lugar onde nasceram, mas esa forçação (cedilha duas vezs, nunca vi!) de barra tb me enche o saco, assim como a religião.

Querem nos obrigar a "amar" a pátria e consequentemente não gostar do que vem de fora. Gostei da sua colocação quando chega no indivíduo, porque na bem da verdade todos somos egoístas. Ninguém é melhor que eu, nenhum time é melhor que o meu, nem bairro, cidade, etc...

Anonymous said...

A alguns anos me lembro de dois jovens que estavam sentados embriagados em uma esquina, discutindo sobre assuntos como estes religião.. se não me engano a conclusão foi que deve ser buscada a religião dentro da cada um e sua igreja é o lugar onde voce se sente em paz, podendo ser um templo, um cemitério ou um buteco.. quanto ao patritismo só quem está por este grande quintal sabe as diferenças, voce lembra das bandeiras dentro da cada casa em local de destaque naquele pais Lusitano que tanto tenta imitar a cultura Brasileira por que será? Matemática não vou nem discutir, mas você é a primeira criança que não repetiu a taboada do 5... o problema não é a repetição e sim a maneira que ela é ensinada ao pequeno "puto"... Ass. Ricardinho

Daniel Caron said...

cadê o cara? só quer, só pensa em namorar... manda umas linhas aí pros amigos, porra!

Rodrigo Boca said...

Aqui está aúnica solução para o Brasil:

http://www.apostos.com/soaressilva/2008/07/post_24.html

Amatuzzi said...

Quatro meses sem escrever!!!


Porra Augusto...

Daniel Caron said...

O Ornito agora é um senhor sério... Não tem tempo pra essas coisas... hehehehe